Preloader

Capoeira

COMO SURGIU A CAPOEIRA?

Existe muita polêmica sobre a origem da capoeira. As principais hipóteses são as seguintes:

  1. Origem afro-brasileira.  
  2. Origem africana.
  3. Origem brasileira urbana.
  4. Origem brasileira indígena.

A hipótese mais aceita pela maioria dos estudiosos e capoeiristas é a da Origem Afro-brasileira. Esta hipótese se fundamenta no fato de que nas numerosas nações do continente africano já existiam diversas lutas, sendo catalogadas mais de dez tipos de artes marciais típicas da África. Como o tráfico de escravos incentivou as guerras inter-tribais, numerosos guerreiros e nobres africanos foram feitos escravos, obrigados a conviverem na escravidão com outras culturas (européias, africanas e indígenas). Desta convivência, já no continente americano, nas terras do Brasil, na época colonial, é que o povo africano e seus descendentes lutando por liberdade e dignidade, tiveram as condições históricas necessárias para criar como produto de um amálgama cultural, a capoeira.

É bom lembrar que a escravidão negra existiu por todo o continente americano e em todos os lugares onde houve a escravidão, os negros africanos se rebelaram, mas só no Brasil (colonial, imperial e republicano) é que se encontram documentos descrevendo a resistência africana e afro-brasileira através de um conjunto bem articulado de luta-dança, que veio a ser chamado de capoeira, e que hoje se constituí em uma rica manifestação cultural da civilização brasileira e pela sua complexidade e abrangência, uma verdadeira arte de ser e viver à brasileira e que hoje se encontra difundida em todos os continentes, em mais de 160 países.

Tal crescimento funciona como uma faca de dois gumes, pois se de um lado divulga a cultura brasileira, por um outro, a deixa vulnerável para sofrer deturpações.

História e Preservação do legado

POR QUE O NOME CAPOEIRA?

Assim como a origem, o nome “Capoeira” encontra-se envolto em polêmica.
As principais hipóteses para o termo que denominou a arte da capoeira, são as seguintes:
Fuga para o mato (caápuera). Nome dado aos cestos de vime (capoeiras) utilizados para guardar pássaros.
Nome de uma ave pequena, tipo codorna, chamada de capoeira ou covado.

POR QUE O NOME CAPOEIRA?

A hipótese mais aceita é a primeira (a) e é baseada no fato de que no tempo do Brasil Colonial e Imperial, quando um negro se rebelava, ele fugia e muitas das vezes, escondia-se nas matas próximas aos núcleos populacionais e de lá, ficava interceptando os transeuntes que passavam pelas estradas e caminhos, em busca de víveres e armas. Por causa destas matas, chamadas de CAPOEIRA ( do tupi-guarani caápuera , onde caá = mato e puera = ralo, roçado), o negro que lá se foragia, passava a ser chamado de Capoeira. Para aquelas pessoas que eram profissionais na captura destes negros foragidos, dava-se o nome de “Capitão do mato".

PRINCIPAIS CONCEITOS
A Capoeira: arte e saber popular brasileiro, de raiz africana, expressada corporeamente, principalmente em forma de luta, dança e canto. O Capoeira: o praticante do jogo de Capoeira. O Capoeirista: o seguidor e divulgador da arte e do saber da Capoeira A Capoeiragem: processo e condições nas quais se desenvolvem a arte e o saber da capoeira. Ciclo dos Velhos Mestre Baianos: período aproximadamente compreendido entre as primeiras décadas do século XX até os anos 80. É neste período que se consolida os comportamentos e os fundamentos civilizadores da Capoeira Tradicional Baiana. Capoeira Tradicional Baiana: segmento capoeirístico que expressa as concepções do saber e da estética do ciclo dos velhos mestre baianos na atualidade.

CAPOEIRA ANGOLA

A Angola possui várias correntes ou linhas de pensamento e de comportamento. Estas correntes ou linhas, são apenas pequenos detalhes ou diferenças expressadas na prática do jogo, sendo as principais: forma de armação da bateria, tipos e nomes de toques de berimbau, nomes dos golpes, uniforme e sistema de graduação ou hierarquia, velocidade da cadência, altura e objetividade do jogo.


Estas linhas da Angola são produtos do seu processo histórico da construção, onde cada mestre inseria na prática do jogo, sua maneira de ver o ritual da roda. Estas diferenças enriqueceram o ritual e jamais impediram a convivência e o jogo entre as diversas linhas.


As principais linhas são as seguintes: Cobrinha Verde, Caiçara, Canjiquinha, Bobó, Valdemar e Pastinha, sendo este último, a corrente mais aceita e seguida pela maioria dos angoleiros. A linha de Pastinha conta com três grandes Mestres representantes, que foram seus discípulos diretos. São eles: João Pequeno, João Grande e Curió.

CAPOEIRA REGIONAL

A Regional possui um só criador, que foi Mestre Bimba. Ele criou um método de ensino bem estruturado pedagogicamente e o deixou documentado.


Este método é constituído dos seguintes elementos: avaliação preliminar das condições físicas do aluno, ginástica preparatória, seqüências coreografadas de golpes, treinamento de golpes, seqüência de golpes de projeção (balões) chamada de Cintura Desprezada, treinamentos e cursos de especialização (esquenta-banho, bumba-meu-boi e emboscada) que são direcionados para a defesa pessoal (física ou com armas).


Na parte ritual e sócio-festiva, temos o Batizado (padrinho e afilhado) e a Formatura de Alunos (com turmas, paraninfo, madrinha, medalhas, lenços de graduação) e torneios, bate-papos e feijoadas. A execução rítmica é bem elaborada com alto grau de complexidade e os jogos da roda são variados e requintados.